Boletim CH#23 ☘️ Ainda minoria na indústria canábica, mulheres reivindicam maior papel de liderança

Número de mulheres ocupando cargos executivos no setor em 2021 caiu para abaixo da média de mulheres executivas em outros setores nos EUA

Bom dia, meus amigos!

Tudo bem por aí? Por aqui, tudo lindo. Muito embora os planos de dar um pulinho no Brasil neste verão tenham ido por água abaixo com os preços exorbitantes das passagens.

Parece que as companhias aéreas tão afim de recuperar o prejuízo desses quase dois anos de pandemia e tão metendo a faca. A última esperança era a tal da black fraude, mas não rolou.

E aquela esticadinha na Argentina, onde tenho muita gente linda para conhecer, e no Uruguai, passagem obrigatória para ver de perto iniciativas canábicas, acontecerá só daqui a uns meses, coisa que muito me chateia. 

Saudade de Brasil, saudade de América Latina, saudade do nosso calor.

Enquanto isso, vou buscando esse calor nas conversas com os atores fundamentais da cannabis no nosso país. Conversas que geram artigos como esse, publicado hoje no Poder360, discutindo o papel das mulheres na indústria canábica, que em seu início atraía executivas para cargos de liderança, mulheres que migravam de setor para crescer na carreira em uma indústria que prometia corregir erros do passado e criar uma nova maneira de incluir minorias. 

Mas algo aconteceu no meio do caminho, e esse número vem sofrendo quedas acentuadas, o que aponta para um risco real de a cannabis se tornar apenas mais uma indústria dominada por homens. Para esse texto, conversei com mulheres que são resistência e referência em cannabis no Brasil e acho que você vai gostar de ler ;)


☘️ Anvisa libera aprovação automática

>>> Abrindo os trabalhos com uma notícia bem boa para os brasileiros. A Anvisa, que tem tomado medidas para facilitar e agilizar a importação de produtos à base de cannabis, automatizou as aprovações do cadastro de novos pacientes em seu site. Em vez de esperar por dias até que a autorização fosse concedida, o paciente que vive no Brasil, ganhará um bom tempo no processo de importação, já que a partir de agora as autorizações saem no momento do cadastro. Antes, o prazo médio de espera era de um mês. A fiscalização nas fronteiras continua normalmente, por isso é fundamental que na receita contenha nome do paciente, nome do produto importado, especificando quantidade e posologia, além, é claro, da assinatura do médico junto com seu número de registro. Se algum dia você pensou em usar cannabis medicinal mas tinha preguiça de todo o processo, agora ficou facinho, anime-se.


☘️ Microdosagem relacionada à baixa ansiedade e depressão

>>> De executivos de tecnologia do Vale do Silício que procuram melhorar o desempenho no trabalho ou em criatividade, a gente comum que espera melhorar sua saúde mental, o acréscimo de uma microdose de psicodélicos à rotina está cada vez mais popular. Digo por experiência própria: muitas pessoas têm dito que a microdoagem melhorou suas vidas. Mas até agora faltavam dados científicos que apoiassem afirmações subjetivas. Mas, semana passada a coisa mudou de figura. Foi publicado na Nature um relatório cujo título fala por si: Adultos que usam microdoses psicodélicas relatam motivações relacionadas à saúde e níveis mais baixos de ansiedade e depressão em comparação com os não microdosadores. O estudo teve um tamanho de amostra enorme, o maior entre estudos do mesmo tipo, tendo a psilocibina como a substância de microdose mais comumente usada na amostra (85%), ao redor da qual foram identificadas diversas práticas relação à dosagem. E foi dirigido por um grupo de cientistas e acadêmicos respeitados, incluindo o próprio Mushroom Man, Paul Stamets - aquele, do Fantastic Funghi.


☘️ Novo estudo afirma que usar cannabis durante a gravidez gera crianças agitadas e ansiosas

>>> A polêmica do uso de cannabis durante a gravidez volta à pauta com o estudo Stress in Pregnancy, que começou em 2009 para examinar como o estresse durante a gravidez afeta o crescimento e o desenvolvimento fetal. Mais de 320 mulheres grávidas foram convidadas a se inscrever no estudo durante o segundo trimestre de gestação, e a participar com seus filhos em relatórios de acompanhamento até quatro anos após o nascimento, 71 delas relataram usar cannabis durante a gravidez. Nesse grupo, os pesquisadores relacionaram o hábito a níveis de estresse, ansiedade, agressão e hiperatividade em crianças pequenas. O estudo também identificou mudanças genéticas nas placentas de usuárias de cannabis grávidas que se correlacionaram diretamente com o aumento da ansiedade e do estresse em seus filhos. Já falamos por aqui, porém, de outros estudos que relacionam a cannabis com uma gravidez mais tranquila e com menos enjoos. Portanto, não nos apressemos em tirar conclusões, seguiremos atentos a estudos futuros que tragam mais informações sobre o tema.


☘️ Cansado de ser banido nas redes sociais? Vem aí uma rede social exclusiva para assuntos canábicos

>>> Cannatech é um setor quente. Mas, embora tenha havido várias tentativas de criar uma rede social com temas 420, nenhuma, até onde sei, teve sucesso. Mas se alguém tem os recursos e a influência para realizar tal empreendimento, esse alguém é o rapper e empresário em cannabis, Berner, e a empresa de tecnologia em cannabis de capital aberto Weedmaps, que estão planejando lançar uma plataforma de mídia social, que disseram, será o “Instagram da Maconha”. Weedmaps e Berner disseram que os aplicativos de mídia social de propriedade da Meta, Facebook e Instagram, excluíram contas relacionadas à cannabis por violações de políticas, e que por isso uma rede legalize é mais do que necessária para dar voz aos milhares de negócios e milhões de pessoas interessadas no assunto em todo o mundo. “Ambas as redes sociais veem a maconha como uma droga”, disse o comunicado de imprensa, “e muitos negócios de cannabis perderam contas e seguidores valiosos por causa dessa repressão”. Estamos particularmente ansiosos para ver o que essa ideia vai se desenvolver nos próximos meses.


☘️ Uber abraça a cannabis

>>> Os consumidores de cannabis em Ontário, no Canadá, poderão fazer pedidos de maconha por meio do Uber Eats, anunciou a empresa há alguns dias. Os clientes poderão fazer pedidos em uma seção dedicada do aplicativo para o varejista de cannabis Tokyo Smoke, que é propriedade da Canopy Growth e, em seguida, retirá-los em uma loja próxima, já que segundo a lei canadense, embora o uso de maconha seja legal desde 2018, ainda é ilegal distribuí-la. Para usar o serviço, os usuários do Uber Eats terão primeiro que verificar sua idade no aplicativo. Outros gigantes da tecnologia, como Facebook e Google, evitaram apoiar as vendas de cannabis, mesmo no Canadá, onde a erva está regulamentada. Mas o CEO do Uber, Dara Khosrowshahi, já havia manifestado interesse no espaço e continuará buscando oportunidades à medida que as regulamentações evoluírem. 


☘️ Tão querendo complicar a vida dos cultivadores de cannabis? Califórnia aumenta imposto pela segunda vez

>>> Pela segunda vez desde que a Califórnia lançou seu mercado legal de cannabis em 2018, os reguladores vão aumentar os impostos sobre a maconha em todo o Estado. De acordo com um comunicado do Departamento de Administração de Impostos e Taxas da Califórnia (CDTFA), todos os três tipos de impostos sobre o cultivo de cannabis aumentarão a partir de 1º de janeiro de 2022. Os impostos em questão são todos pagos pelos cultivadores da erva, que desconfiam que o aumento de impostos seja uma maneira de jogar água nos planos da indústria, que apesar de regulada, enfrenta desafios sobretudo econômicos. O aumento anterior da taxa ocorreu em 2020, quando a taxa de aumento no atacado foi elevada de 60% para 80%. Muitas reuniões e negociações entre representantes da indústria e legisladores estaduais foram feitas no sentido de pleitear uma redução de impostos, que é prioridade para o setor nos EUA, mas no fim não deram em nada. 


☘️ Contrariando previsões, não houve aumento de acidentes de trânsito no Canadá após a legalização

>>> Em um novo estudo publicado na Drug and Alcohol Dependence, uma revista científica de renome internacional, descobriu que a legalização da cannabis no Canadá não está associada a aumentos nos acidentes de trânsito. Esvaziando a argumentação dos críticos da cannabis, que previam  um tipo de “epidemia de motorista chapado” após a regulamentação da erva. O projeto revisou todos os dados dos departamentos de emergência de Ontário e Alberta, as únicas duas províncias canadenses que registram todas as visitas de emergência que ocorrem na população em geral, de 1º de abril de 2015 a 31 de dezembro de 2019. A equipe descobriu que, imediatamente após a legalização da cannabis, não havia evidências de mudanças significativas nas visitas ao departamento de emergência de acidentes de trânsito entre todos os motoristas ou jovens condutores, afirmaram os pesquisadores. 


☘️ Órgão quer verificar qualidade dos produtos de CBD

>>> Um mercado regulado não garante a qualidade da oferta disponível nas prateleiras. Produtos à base de cannabis ainda carecem de padrões de teste e protocolos de rotulagem nos EUA e é por isso que o National Industrial Hemp Council of America se comprometeu em estabelecer padrões de teste e rotulagem para o CBD. A organização anunciou na semana passada que está trabalhando com parceiros da indústria para lançar um programa piloto cujos participantes poderão rotular seus produtos com o selo de aprovação do NIHC com o objetivo de fortalecer a confiança dos consumidores em suas marcas. A organização está em negociações com empresas de teste, laboratórios e verificadores terceirizados para desenvolver um programa que testará a potência e o perfil de segurança de todos os canabinóides, uma iniciativa que deve valorizar o mercado e tranquilizar o consumidor com informações confiáveis ​​e transparentes sobre os produtos CBD.


☘️ NY proíbe publicidade de cannabis em ônibus e metrô

>>> Toda a publicidade relacionada à cannabis é explicitamente proibida de acordo com as diretrizes recém-lançadas da New York Metropolitan Transportation Authority (MTA). É a primeira vez que a agência inclui a proibição da publicidade de cannabis em seus regulamentos, já que o Estado só aprovou seu projeto de legalização em abril. A proposta foi incluída em um resumo da reunião do conselho do MTA há poucos dias, com diretrizes que também incluem a proibição de cogumelos mágicos ou produtos alucinógenos. A posse e o uso de psilocibina continuam sendo um crime em Nova York; entretanto, na vizinha Nova Jersey, o governador Phil Murphy assinou um projeto de lei em fevereiro reduzindo as penalidades pelo porte de cogumelos psilocibinos. As reformas não legalizaram o uso adulto ou terapêutico desses produtos no Estado. Ainda, já que em março deste ano foi apresentado um projeto de lei para descriminalizar os cogumelos psicodélicos em Nova York, que permanece à espera de votação no Comitê de Saúde da Câmara.


☘️ Famosa empresa norte-americana de suplementos à base de plantas aposta em cannabis e psicodélicos

>>> Tratamentos com cannabis e psicodélicos estão se tornando tão populares nos EUA, que empresas super conhecidas, como a Irwin Naturals, que existe há quase 30 anos e tem capital aberto na bolsa, está entrando nessas indústrias. De acordo com o executivo da marca, uma série de novas evidências clínicas mostra que os psicodélicos são "talvez a única solução profunda" para problemas de saúde mental. Nesse nicho, “a quetamina é o único oásis legal”, já que a substância pode ser prescrita por médicos nos EUA. A empresa abrirá uma rede nacional de clínicas de quetamina com a intenção de colocar tratamento de baixo custo a uma hora de carro de pessoas que moram em todos os principais centros urbanos do país. As inaugurações devem acontecer a partir do primeiro trimestre de 2022 na Califórnia, Iowa, Kentucky e Carolina do Norte, com um ritmo acentuado de novas inaugurações ao longo do próximo ano. Sinto cheiro de tendência, e vocês?

☘️☘️☘️

Vamos ficando por aqui, mas não sem antes te falar uma coisa séria, vem cá. Você já conhece o blog do Marcelo Leite com discussões e novidades imperdíveis no mundo dos psicodélicos? Recomendadíssimo o último artigo, e todos os demais ;) 

As festas de fim de ano estão chegando, e você eventualmente vai se deparar com discussões a respeito da cannabis na mesa de jantar com a família. Leafly publicou uma série de oportunas questões que vai te preparar para essa conversinha potencialmente polêmica. 

E aqui, os cinco melhores guias de cultivo de cannabis disponíveis online.


Curtiu? Achou que faltou alguma coisa? Quer se comunicar com a gente? Venha! cannabishoje@gmail.com

Se puder, aperta o coraçãozinho e compartilha a newsletter com as amizades.

Aproveita e segue @cannabishoje no instagram, assim a nossa comunidade só fará crescer \o/ 

Share Cannabis Hoje

Boletim CH#22 ☘️ Infusão e temperos com cannabis atraem chefs e apreciadores

Cozinheiros de vários países já se especializam na erva, criam produtos, promovem jantares e dão cursos para milhares de seguidores

Olar, tudo bão?

Por aqui, plena produção e atividade. Conversando com gente no mundo inteiro para entender para onde estamos indo com a indústria, a medicina e o uso social da cannabis. Adorando. Viva o home office! Aliás, se você quiser que eu investigue sobre um determinado assunto em cannabis ou psicodélicos, é só me escrever, que eu vou gostar de saber o que te interessa e ir atrás.

Ultimamente, a única coisa que me distrai é quando eu invento de xeretar a vida dos participantes do Casamento às Cegas, no instagram. Não, cês não tem ideia! Eu sor a maior stalker raiz, né? Mas com esse povo eu tô stalker num nível criando diálogos entre eles - ah, sim, porque uns ficaram amigos, daí viajam juntos tal - e acompanhando o bafão da nanda… alerta spoiler. Se quiser saber vai ter que, assim como eu, perder 9 horas da sua vida em um reality bizarro e por isso mesmo maravilhoso. Enfim, de bobagens também se vive.

Mas deixa eu te contar. Há uns dias, publicamos no Estadão uma reportagem sobre como chefs de cozinha estão incorporando a cannabis como ingrediente. Gostei especialmente de apurar essa matéria porque falei com referências no assunto no mundo, inclusive uma brasileira que vive e trabalha no Uruguai, a Marcela Ikeda, dona do Larica, e com o gente fina do Caio César, do canal Cozinha 4e20.

Falando em Uruguai, os caras estão considerando abrir as portas para o turismo canábico já na próxima temporada de verão.

Na trilha do marketing em cannabis, encontrei esse livrinho com um conteúdo legal, mas que tá em inglês- espero que isso não seja um problema. Em último caso está o google tradutor ;)

Vamos de news?


☘️ Cannabis é o 5º cultivo mais valioso nos EUA

>>> Um novo estudo publicado pela Leafly indica que a cannabis já é a quinta cultura mais geradora de renda nos Estados Unidos, à frente do algodão e do arroz. A plataforma Leafly, que conecta consumidores a dispensários, produziu o primeiro Leafly Cannabis Harvest Report 2021, que indica que as vendas de cannabis nos Estados Unidos estão atrás apenas das de milho, soja, feno e trigo. De acordo com o relatório feito em parceria com a Whitney Economics, o valor da safra de cannabis é de 6,2 bilhões de dólares anuais. O setor é composto por mais de 13 mil fazendas americanas que colhem 2.278 toneladas por ano, montante suficiente para produzir 2 bilhões de baseados ou encher 57 piscinas olímpicas com o produto da planta. A cannabis é a cultura agrícola mais valiosa nos estados do Alasca, Colorado, Massachusetts, Nevada e Oregon, mas o setor permanece amplamente ignorado pelas autoridades estaduais. Outro dado relevante é que em cada um dos 11 estados analisados, a cannabis tornou-se a quinta cultura mais valiosa em termos agrícolas em dois anos após a abertura do primeiro dispensário de uso adulto da erva.


☘️ Mais de 70% dos usuários de CBD decidem dosagem sem orientação médica

>>> Cerca de 71% dos consumidores de cannabis são autossuficientes quando se trata de decidir as dosagens de CBD, em vez de confiar em conselhos profissionais ou médicos, descobriu uma nova pesquisa com consumidores da Leafreport. Usando uma plataforma online, entrevistaram 721 consumidores atuais ou passados de CBD nos EUA, para avaliar como escolheram as dosagens que usam ou usaram. Cada entrevistado respondeu 11 perguntas específicas sobre seus hábitos de uso de CBD e 71% deles decidiram a dosagem que usam sem consultar um profissional. Em se tratando de dosagens autodeterminadas, 42% dos consumidores afirmaram que determinaram as dosagens por conta própria por tentativa e erro, enquanto 21% seguiram as orientações de dosagem fornecidas no produto. Apenas 18% dos consumidores consultou um médico para determinar sua dosagem, enquanto 11% dos entrevistados disseram que consultaram um budtender. E essa maravilhosa internet, foi o doutor de 8% dos consumidores, que usaram calculadora de dosagem online. E você, aí, como descobriu a sua dosagem?


☘️ 7 a 1 de novo: Alemanha em vias de legalizar o uso adulto da cannabis

>>> Na Alemanha, a próxima coalizão governamental está em fase final de negociações para legalizar o uso adulto de cannabis no país. De acordo com Leafie, a aliança formada pelos sociais-democratas, os verdes e os democratas livres está negociando para que os cidadãos alemães possam usar cannabis para fins recreativos. Este debate faz parte de negociações mais amplas para a formação de um novo governo, que tomará posse no início de dezembro sob a liderança do social-democrata Olaf Scholz. Apesar de a posse e venda de cannabis serem ilegais na Alemanha, essa é atualmente a substância mais consumida no país. De acordo com o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT), 19,5% dos jovens adultos com idades entre 15 e 24 anos consumiram cannabis pelo menos uma vez em 2019. Sendo a Alemanha a maior economia da Europa, esta notícia é um grande indicador de que o crescimento do mercado europeu de cannabis está ganhando cada vez mais terreno.


☘️ A cannabis intensifica efeitos de outros psicodélicos

>>> Se normalmente, trazemos pesquisas sobre cannabis e psicodélicos separadamente, hoje falaremos de uma pesquisa sobre a interação dessa planta que dá nome ao nosso boletim com outras substâncias psicotrópicas. Um novo estudou encontrou confirma que a cannabis aumenta os efeitos dos psicodélicos, intensificando a experiência. Pesquisadores do Imperial College London analisaram pesquisas online de 321 pessoas que descreveram vários aspectos de sua experiência com psicodélicos e relataram se usaram cannabis ao mesmo tempo e, em caso afirmativo, quanto. O que eles descobriram foi que consumir maconha concomitantemente com substâncias como psilocibina, LSD, DMT, ayahuasca ou mescalina aumentava a intensidade da viagem. O uso de cannabis junto com psicodélicos foi “associado a maiores pontuações de experiência do tipo místico, dissolução do ego e alterações visuais”, afirma o estudo, publicado há poucos dias na revista Psychopharmacology. E, em geral, quanto mais maconha uma pessoa diz ter usado, mais intenso é o efeito psicodélico.


☘️ Melhor ou pior trabalhador aquele que consome cannabis?

>>> Usar cannabis não prejudica o desempenho do funcionário ou sua capacidade de trabalhar bem com os colegas e, pelo contrário, pode até melhorar seu desempenho. Depende, sobretudo, do momento e das condições do momento em que foi consummida, descobriu um novo estudo publicado na revista Group & Organization Management. Foram coletados dados de 281 funcionários e seus supervisores diretos com amostra 47% masculina, 53% feminina e 65% branca. Mais da metade (56%) tinha diploma de faculdade ou pós-graduação de quatro anos, e a idade média era de 36 anos. Os funcionários foram solicitados a relatar a frequência com que usaram cannabis nas 2 horas seguintes ao início do turno de trabalho, quantas vezes no último ano fumaram durante a jornada de trabalho e quantas vezes no último ano usaram a substância 2 horas depois de sair do trabalho. Os resultados indicam que o uso de cannabis antes ou durante o trabalho prejudicou quatro das cinco dimensões diferentes de desempenho avaliadas pelo supervisor direto do usuário, mas, ao contrário das suposições mais comuns, nem todas as formas de uso de cannabis prejudicaram o desempenho laboral, e algumas só tem a contribuir, particularmente no alívio do estresse pós trabalho.


☘️ 65% trocou pelo menos um medicamento prescrito por cannabis

>>> Taqui, ó, porque as bigfarma, ainda que a contragosto, estão de braços abertos para a cannabis. Além de substituir medicamentos, será uma planta superutilizada não só como remédio, mas também como aliada do bem-estar. Uma pesquisa com pacientes de cannabis medicinal da Flórida publicada no jornal Medical Cannabis and Cannabinoids revelou que a maioria (65%) reduziu ou eliminou a ingestão de pelo menos um medicamento prescrito após obter seu registro de cannabis medicinal. Os dados de 157 pacientes de cannabis medicinal foram coletados entre maio de 2019 a janeiro de 2020. Quase todos os entrevistados disseram que consumiam cannabis diariamente, mas 93% disseram que não se sentiam dependentes da substância. Outros 40% indicaram que usaram apenas cepas de alto THC, enquanto 22% disseram que suas cepas eram apenas de alto CBD. A grande maioria, 72%, indicou que usava cepas com alto teor de THC e CBD. Contabilizando valores discrepantes e não respostas, 110 pacientes compartilharam a quantia média que gastaramm, 300 dólares, em cannabis medicinal por mês. A pesquisa também descobriu que a flor é o método preferido de uso. Os pacientes relataram redução da dependência de opioides (18%), ansiolíticos (18%) ou antidepressivos (15%).


☘️ Nova Zelândia incentiva pesquisas para fomentar produção nacional de cannabis

>>> A reforma da cannabis medicinal está se espalhando por todo o mundo. Inclusive na Nova Zelândia, onde, no final de 2017, o governo anunciou que permitiria a cannabis medicinal em alguns casos depois que as regras fossem elaboradas. Infelizmente para a maioria dos pacientes em sofrimento, a lei da Nova Zelândia provou ser muito limitada e demorou muito para decolar. Mas felizmente para o futuro da política de cannabis da nação, a Nova Zelândia anunciou recentemente um financiamento adicional para pesquisas sobre a cannabis. O Ministro da Agricultura da Nova Zelândia, Damien O’Connor, anunciou recentemente que o Fundo Sustentável para Alimentos e Fibras está contribuindo com 760 mil dólares para um programa de pesquisa de cannabis medicinal. O objetivo do projeto de pesquisa é ‘estabelecer práticas de cultivo de cannabis medicinal baseadas em evidências’. Conforme apontado pelo Ministro da Agricultura, até este ponto quase todo o suprimento de cannabis medicinal da Nova Zelândia foi importado de outros países. O projeto de pesquisa visa aumentar a produção nacional a um ponto em que a Nova Zelândia possa inclusive começar a exportar produtos de cannabis medicinal para outros países.


☘️ Pesquisa relata diminuição de ansiedade em adultos tratados com cannabis

>>> Um novo estudo publicado no mês passado está lançando luz sobre o potencial terapêutico para ansiedade e depressão. Pesquisadores descobriram maneiras criativas de estudar os efeitos da planta na população em geral e publicaram os estudos observacionais no jornal Frontiers In Psychiatry. Relatando que o uso de cannabis medicinal foi associado a uma depressão autorrelatada mais baixa, bem como a uma diminuição da ansiedade em adultos. A pesquisa, conduzida pela Johns Hopkins University, uma das mais conceituadas no estudo de substâncias psicotrópicas do planeta, em associação com a Realm of Caring Foundation, teve 538 participantes com mais de 18 anos, que completaram questionários sobre o uso de cannabis e sintomas associados. Todos os participantes relataram ter transtornos de ansiedade ou depressão, incluindo transtorno depressivo maior, depressão pós-parto, transtorno disfórico pré-menstrual, transtorno afetivo sazonal, transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico, transtorno de ansiedade social ou agorafobia. Do total, 368 participantes relataram o uso atual de produtos de cannabis medicinal, enquanto os restantes 170 estavam considerando o uso de cannabis medicinal, mas ainda não tinham começado. 


☘️ Médico americano suspenso por dois anos por emitir 22 mil receitas de cannabis em um ano

>>> Um tribunal de apelações de Michigan sustentou uma suspensão de dois anos para um médico que aprovou quase 22.000 certificados de cannabis medicinal em apenas um ano, relata a Associated Press. Durante a audiência, o Dr. Vernon Proctor refutou a alegação de que havia aprovado 22.000 certificados, dizendo que o total realista estaria ao redor de mil. Durante a audiência, um especialista disse que teria sido impossível para Vernon tomar as medidas necessárias para conduzir um exame adequado para tantos pacientes - cerca de 60 pacientes por dia, sete dias por semana. Ao todo, o Conselho de Medicina disse que Proctor emitiu 21.708 certificações de cannabis medicinal entre 9 de junho de 2015 e 8 de junho de 2016. De acordo com a decisão, o tribunal considerou as alegações de Proctor de que ele ia a cinco clínicas por dia, que cada uma tinha de 20 a 50 pacientes e que ele trabalhava "12 a 14 horas por dia, sete dias por semana" não foram convincentes. “O juiz considerou que faltava ao entrevistado um bom caráter moral para emitir um grande volume de certificados, o que demonstrava falta de abertura, justiça e honestidade com seus pacientes”, diz a decisão.


☘️ Desde 2020, as vendas de cannabis aumentaram 25% no Canadá

>>> Desde março de 2020, as vendas de cannabis no Canadá aumentaram 25% e as receitas foram 811 milhões de dólares maiores do que o previsto, de acordo com uma pesquisa publicada no Jama Network. Os números de vendas foram fornecidos pela Statistics Canada e incluem 16 meses de março de 2020 a junho de 2021. O estudo, conduzido pelo Peter Boris Center for Addictions Research (PBCAR) da McMaster University, St. Joseph's Healthcare Hamilton e o Homewood Research Institute, também descobriu que desde março de 2020, as vendas mensais de álcool aumentaram em média 5,5% - ou 1,86 bilhão de dólares - sobre as vendas esperadas. 

☘️☘️☘️

Foi bom pra você? Pra gente foi demais ;)

Mas dá para ficar melhor, vem cá espiar essa calculadora de cannabis em comestíveis. E nessas diquinhas para tirar a marofa da sua pessoa. Sempre teve curiosidade de saber como funcionam as pesquisas sobre o consumo de drogas no mundo? Vai lá, participe e divirta-se.


Curtiu? Achou que faltou alguma coisa? Quer se comunicar com a gente? Venha! cannabishoje@gmail.com

Se puder, aperta o coraçãozinho e compartilha a newsletter com as amizades.

Aproveita e segue @cannabishoje no instagram, assim a nossa comunidade só fará crescer \o/ 

Share Cannabis Hoje

Boletim CH#21 ☘️ Feiras e congressos alavancam a indústria e fomentam a cultura canábica

Empreendedores autônomos que viajam para eventos criam agenda paralela com aulas de cultivo, culinária e extração

Fala, minha gente!

Tudo bão?

Notaram que tamos atrasildos esta semana? Era pra ter lançado a news ontem mas não rolou porque tá acontecendo de ter que resolver a vida enquanto a vida continua. É buscar casa pra seguir por aqui nas Canárias mais uma temporada, é cozinhar, é entrevistar, é meditar, é tudo e ao mesmo tempo agora. Por isso, conto com a sua compreensão pelo atraso na entrega do seu boletim das notícias canábicas mais importantes da semana.

Mas a espera acabou, cá estamos pra te contar o que é que houve, o que é que há. Começando pelas feiras e congressos que movimentam a indústria e a cultura da cannabis no mundo. Tive a oportunidade de conversar com os organizadores da Spannabis, em Barcelona, da ExpoCannabis, em Montevidéu, e da ICBC, em Berlin, para entender a importância desses eventos na construção de um ecossistema forte e potente. Vai lá, que tá interessante.

E depois volta aqui, para as news de destaque :)


☘️ Primeira frente parlamentar em defesa da cannabis medicinal no Brasil tem PT e Partido Novo

>>> É, meus amigos, a cannabis anda fazendo proezas até então inimagináveis em terras brasilis, como a união de parlamentares do PT e do Partido Novo --além de vários outros partidos-- na defesa do acesso democrático à cannabis medicinal a todos os brasileiros. Os 21 deputados estaduais de 12 partidos que se uniram para debater a regulamentação da erva criaram a primeira frente parlamentar do Brasil com este intuito. Um dos assuntos principais que deve ser debatido pelo grupo é a distribuição de medicamentos à base de cannabis pelo SUS. Mais detalhes nesta matéria do UOL.


☘️ Couch de cannabis? Juro que não é bullshit

>>> Se sua primeira experiência com o álcool fosse bebendo um galão de vodka de má qualidade, poderia ser natural que você se você se tornasse abstêmio. Mas e quanto à cannabis? Na ausência de orientação ou know-how, as pessoas poderiam ter realmente uma má experiência logo de cara e muito provavelmente abandonar a cannabis mesmo antes de entender mais sobre ela. Por isso, uma espécie de couch para o seu uso é uma perspectiva interessante nesta era de ouro da cannabis. De xaropes e bálsamos com infusão de cannabis a bebidas nanoemulsionadas, o mundo da cannabis em 2021 é um sistema solar inteiro que vai muito além dos baseados de prensado tão comuns no Brasil. Com tanta variedade nas prateleiras de países como os EUA e o Canadá, os consumidores que procuram usar esta planta como uma ferramenta de saúde e bem-estar podem facilmente cair em enrascadas. Para preencher esta lacuna, foi que nasceu o Cannabis Couch Institute, que tem sete especialistas mulheres no assunto trabalhando pela informação e formação do setor. Como o consumidor médio pode aprimorar de forma fácil e eficaz o que funcionará melhor para ele? Na ausência de conselhos confiáveis ​​e bem informados de profissionais de saúde, como os pacientes de cannabis medicinal podem ter certeza de que têm o conhecimento e a orientação de que precisam para encontrar o medicamento que funcionará de forma eficaz e consistente? Como eles escolhem entre comestíveis, tinturas, fumar, vaporizar e tópicos? Como eles sabem se devem tomar um produto nano CBD ou um de espectro completo? Que tal incorporar CBG, CBN ou Delta 8? Se você também faz estas mesmas perguntas, talvez também enxergue esta oportunidade de negócio no Brasil.


☘️ Remissão de 76% no tamanho de um tumor no pulmão de uma idosa que recusou a quimio e se tratou com CBD

>>> Cada vez mais a cannabis vem sendo discutida como possibilidade de tratamento de diversos tipos de câncer. E aqui, uma notinha para botar mais lenha nessa fogueira. Uma mulher de 80 anos, que usou óleo de canabidiol (CBD) para tratar um câncer no pulmão após se recusar ao tratamento convencional, viu o tumor diminuir 76% de tamanho em menos de três anos. Médicos do Departamento Respiratório do Reino Unido afirmaram que o tumor media 41 mm em 2018 e que a idosa também padecia de osteoartrite, hipertensão e doença pulmonar obstrutiva crônica leve. Ela foi aconselhada a se submeter a quimioterapia ou cirurgia, mas se recusou a fazê-lo. Então, começou a automedicação, com 0,5ml de óleo de CBD três vezes ao dia em agosto de 2018, de diferente, só notou uma redução no apetite com o início do tratamento com cannabis, mas nenhum efeito colateral. O estudo do caso, publicado no BMJ Case Reports, contou com check-ups regulares e tomografias computadorizadas em um intervalo de três a seis meses, que revelaram que o tumor encolheu de 41 mm para 10 mm em fevereiro de 2021. “Embora pareça haver uma relação entre a ingestão de óleo de CBD e a regressão do tumor, não podemos confirmar de forma conclusiva que uma coisa esteja relacionada à outra”, concluíu o estudo.


☘️ Pesquisa nos EUA mostra que 46% prefere viver em um lugar onde a cannabis é legalizada

>>> Quando eu cheguei na Europa e tava decidindo em qual cidade morar, devo confessar que Amsterdam era alta candidata. Daí quando soube que Barcelona também tinha seus coffeshops e uma cultura canábica viva, me decidi por lá. E parece que assim como eu, tem mais gente considerando o fator cannabis na hora de decidir onde morar. Uma pesquisa publicada recentemente pela corretora de imóveis Redfin com mais de mil pessoas descobriu que 46% dos entrevistados “preferem viver” ou “só viveriam” em um lugar onde a cannabis é legalizada. Cerca de  34% dos entrevistados preferem viver onde a cannabis para uso adulto não é mais proibida e 12% viveriam apenas em um lugar onde a cannabis é totalmente legal. Apenas 22% dos entrevistados “não iriam” ou “preferem não” viver em um lugar onde a cannabis é permitida para uso adulto. Outros 32% dos entrevistados disseram que não se importavam se a cannabis era legal ou não ao decidir onde viveriam. Apenas 10% dos 1.023 participantes da pesquisa, que incluiu pessoas que se mudaram para novas áreas metropolitanas desde março de 2020, disseram que não viveriam em um lugar onde a cannabis seja legal. E você, já cogitou passar uns meses no Uruguai só para ter o gostinho de uma vida legalizada?


☘️ Reguladores de NY finalmente discutem o autocultivo

>>> Os reguladores da cannabis em Nova York estão finalmente discutindo a possibilidade de que os pacientes de cannabis medicinal no Estado tenham o direito de cultivar plantas para uso pessoal, discussão fundamental para popularizar o acesso a essa medicina. Em reunião na semana passada, o Cannabis Control Board de NY --responsável pela regulamentação da indústria da cannabis do Estado-- decidiu permitir que os pacientes cultivassem até seis plantas - dentro ou fora de casa - para seu próprio uso terapêutico. “O cultivo doméstico de cannabis medicinal proporcionará aos pacientes certificados um meio econômico de obter cannabis por meio do cultivo pessoal, ao mesmo tempo que cria um conjunto de normas que regem uma conduta”, disse a ex-deputada Tremaine Wright (D), que preside o Cannabis Control Board. Cuidadores de pacientes com menos de 21 anos “cujas deficiências físicas ou cognitivas os impedem de cultivar cannabis” também podem cultivar até seis plantas em seu nome. Os proprietários de imóveis de aluguel, no entanto, teriam a opção de proibir os inquilinos de cultivar maconha em suas propriedades.


☘️ Primeira verba federal para pesquisa com psicodélicos nos EUA em 50 anos

>>> Se alguém ainda duvidava que estamos vivendo o renascimento psicodélico, sugiro prestar atenção às notícias que pipocam sobre o tema. A mais recente e das mais importantes trata de uma subvenção federal e milionária dos Estados Unidos para uma investigação com psicodélicos. A Johns Hopkins recebeu uma bolsa do National Institutes of Health para explorar os impactos potenciais da psilocibina (os famosos cogumelos mágicos) no vício do tabaco, a primeira bolsa do NIH concedida em mais de meio século para investigar diretamente os efeitos terapêuticos de um psicodélico clássico. O estudo será realizado ao longo de três anos simultaneamente em três instituições de pesquisa para diversificar o grupo de participantes e aumentar a confiança de que os resultados se aplicam a uma ampla gama de fumantes. O financiamento de quase 4 milhões de dólares será feito pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas dos EUA.


☘️ DEA quer produção 6.300% maior de MDMA em 2022

>>> Aproveitando que a gente deu uma pulada de cerca pra falar de psicodélicos, seguimos no assunto um tiquinho mais. O DEA vai aumentar expressivamente sua produção de cannabis e psicodélicos para pesquisas em 2022, segundo anúncio recente da agência federal. Dois meses atrás, o DEA já havia proposto um aumento importante na produção de cannabis e psicodélicos para 2021. Na proposta de excedência da produção, o órgão pede um aumento de 6.300% de MDMA, o dobro da produção de psilocibina e também do extrato de cannabis. O edital inclui uma chamada para comentários do público sobre os aumentos de produção propostos, o que na prática não quer dizer muita coisa, mas pelo menos dá a impressão de que a população tem voz nesse tipo de questão. Atualmente, a produção licenciada de cannabis de grau de pesquisa está limitada à Universidade do Mississippi, mas a DEA solicitou pedidos de cultivadores adicionais e outros produtores de substâncias da Tabela I. Essas licenças são aguardadas há muito tempo e muitos ativistas e partes interessadas acusaram a agência de tratar o assunto com lentidão. Bom, parece que agora vai! Algum palpite sobre o interesse crescente do DEA no assunto?


☘️ Suíça a um passo de legalizar cannabis medicinal e recreativa

>>> Produção, cultivo, comércio e consumo de cannabis não serão mais proibidos na Suíça depois que uma comissão que investiga a substância afirmou que as leis devem ser alteradas e não apenas para o uso médico, mas também para o seu uso recreativo. A Comissão de Segurança Social e Saúde do país disse que a cannabis deveria ser regulamentada na Suíça a fim de controlar o “mercado de cannabis para proteger o consumidor e a juventude”. Um projeto de lei será agora elaborado no parlamento suíço com a intenção de eliminar o mercado negro da droga na Suíça. O autocultivo também deve ser incluído na proposta de lei que terá o apoio de todo o espectro político da Suíça, com 40 membros do Conselho Nacional assinando a iniciativa.


☘️ Misturar cannabis e álcool, que onda?

>>> Tomados com responsabilidade, tanto o álcool quanto a cannabis podem ser ótimos. Mas e quando você mistura os dois? Beber álcool e ficar chapado ao mesmo tempo - o “crossfading” - pode potencializar os efeitos de ambos e, potencialmente, levar a alguns efeitos colaterais. Se você tem idade suficiente, deve se lembrar de ter ouvido na aula antidrogas na escola que, quando tomados juntos, o álcool e a cannabis dobram os efeitos um do outro. Embora não haja evidências de um efeito de duplicação, há várias pesquisas que indicam que as duas substâncias aumentam os efeitos uma da outra. Um estudo publicado este ano descobriu que, quando a cannabis foi usada pela primeira vez, havia uma tendência de consumir menos álcool e mais cannabis. Os pesquisadores afirmaram que “usar cannabis primeiro dentro de um dia de co-uso foi associado a um menor consumo diário de álcool, mas a um maior consumo diário de cannabis”. 


☘️ Cannabis pode ser uma bela aliada no tratamento de enxaquecas

>>> A enxaqueca é uma das doenças mais prevalentes no mundo. Cerca de 39 milhões de pessoas nos Estados Unidos e 1 bilhão de pessoas em todo o mundo sofrem com ela, ou uma a cada oito pessoas. Quase metade de todas as mulheres experimentará enxaquecas em algum momento de suas vidas, na maioria das vezes entre os 35 e os 45 anos de idade. A cannabis também promete ser um tratamento conveniente e eficaz para enxaquecas e outras dores de cabeça. De acordo com um artigo publicado em agosto deste ano por um grupo de pesquisadores da Flórida, as evidências atuais indicam que o uso de cannabis “diminui a duração e a frequência da enxaqueca” por meio das vias da glutamina, da inflamação, dos opiáceos e da serotonina. Além disso, dois outros artigos publicados recentemente sugerem que os terpenos, os compostos responsáveis ​​pela fragrância da planta da cannabis, podem ter algo a ver com esse efeito terapêutico. Os pesquisadores da Universidade de Washington concluíram que a inalação de cannabis reduziu a dor de cabeça e enxaqueca de metade dos participantes do estudo. Seus resultados, publicados em maio de 2021 no The Journal of Pain, revelaram que reduções maiores foram associadas aos concentrados do que às flores. Os autores também descobriram que os homens relataram maiores benefícios do que as mulheres.

☘️☘️☘️

Por hoje é isso, pessoal.

Vamos nos despedindo com estas quatro dicas de como fazer a sua erva durar mais, esta ferramenta para escolher o tipo certo de cannabis para o seu perfil, e este episódio do podcast The Argument sobre a legalização de todas as drogas na esteira da legalização mundial da cannabis.


Curtiu? Achou que faltou alguma coisa? Quer se comunicar com a gente sobre algo que aflige o seu ser? Venha! cannabishoje@gmail.com

Se puder, aperta o coraçãozinho e dá o share para compartilhar a newsletter com as amizades.

Aproveita e segue @cannabishoje no instagram, assim a nossa comunidade só fará crescer \o/ 

Share

Boletim CH#20 ☘️ Primeiro grande evento sobre cannabis no Brasil "pós" pandêmico

Cannabis Thinking é uma iniciativa da The Green Hub, e conta com mais de 60 convidados de peso para discutir a cannabis no Brasil e no mundo, ao vivo e a cores

Alô você, tudo bem?

Por aqui tudo caminhando. Esses dias baixei a Barcelona para ver show do Gil, coisinha linda ele, né? Apaxonei no neto, Sereno, e em consequência disso, viciei nessa música.

Estas últimas semanas não foram as mais movidas em termos de cannabis e tudo bem, porque minha vida pessoal, essa sim, foi movidíssima. Daí tou eu aqui equilibrando os pratinhos. Decidindo se caso ou compro uma bicicleta, real.

Tem monte de reportagem para ser publicada, logo logo trago novidades procês. No sábado, dia 23, rola o Cannabis Thinking, evento maravilindo que me convidou para falar ao lado de outros profissionais de destaque da indústria da cannabis no Brasil, mas que infelizmente tive que dizer não, porque, né? Tou a milhares de quilômetros de distância. 

Passando mal de vontade de tar lá, evento ao vivinho, oportunidade de ouro de conhecer essa galera simpática que abriu os braços quando cheguei e que tenho vontade de olhar no olho, abraçar, fazer piada sem graça pra eles não rirem. É o primeiro grande evento no tema no “pós” pandemia. Se você tiver afins de conhecer gente da área e ainda ficar por dentro do que rola de mais importante na cena, perde não. Vai lá comprar teu ingresso e me conta depois!

Bora de news ;)


☘️ Anvisa diminui prazo para importação de produtos de cannabis

>>> Abrindo os trabalhos com uma super notícia para os brasileiros: a Anvisa soltou uma resolução que diminui o tempo de espera para a importação de produtos e medicamentos canábicos! Oba!! Segundo o próprio órgão que regula a saúde no Brasil, a crescente procura da população por tratamentos à base da erva acabou congestionando o sistema e isso fez com que o tratamento de alguns pacientes fossem interrompidos pela demora na autorização. Então, mexeram os pauzinhos lá dentro para diminuir o tempo de espera, que antes podia chegar a três semanas, para apenas cinco dias. Quer mais? A Anvisa afirmou em nota que está trabalhando para que a autorização seja concedida automaticamente para a compra de medicamentos listados e aprovados previamente. Já era tempo, né? Nos últimos seis anos, a demanda por importação de cannabis cresceu 2.400%


☘️ Como passar num teste de cannabis

>>> É mais comum nos Estados Unidos, mas pode ser que no Brasil você tenha que encarar um teste para detecção de cannabis pelo seu empregador ou em qualquer outra atividade. Pra você, que adoraria saber a melhor maneira de fazer uma desintoxicação de THC e quer algo mais consistente que as inúmeras teorias sobre como passar em um teste de drogas disponíveis no Google, te deixamos alguns pontos a se considerar, inspirados nos protocolos do Prof of Pot. Os canabinóides são eliminados do corpo por duas vias principais: fezes e urina. Por definição, a primeira coisa que você deve fazer é parar de consumí-la, já que a quantidade de tempo entre o início da abstinência e a data do teste é o fator mais importante. Ha! Não te contei nada de novo, né? Mas, calma, tem mais. Perder peso! Sim, como os metabólitos do THC são armazenados nas células de gordura, queimar mais gordura significa queimar THC. Combinar exercícios e dieta alimentar será o caminho mais direto para alcançar essa perda de peso em uma semana. Além de emagrecer, o outro componente da desintoxicação é o fígado. Suplementos de ervas --procure saber sobre a erva de São João e Cardo Leiteiro-- com o objetivo de interferir no metabolismo do THC devem ser iniciados cerca de duas semanas antes do teste. É extremamente importante que, se estiver tomando qualquer medicamento prescrito, discuta o início desses suplementos com seu médico ou farmacêutico. Dá uma olhada aqui, que tem mais detalhes.


☘️ NBA não vai testar jogadores na temporada que começa hoje

>>> Quem já ficou livre dos testes de cannabis foram os jogadores da NBA, que já não serão testados aleatoriamente durante a próxima temporada, continuando a política que começou durante o retorno das partidas. A liga seguirá aplicando testes para drogas que melhoram o desempenho e também para as de abuso, como metanfetamina, cocaína e opiáceos. A cannabis continua proibida pelo acordo coletivo da liga, mas as negociações entre a liga e a associação de jogadores afrouxaram as restrições. No ano passado, o comissário da NBA, Adam Silver, disse que “é possível” que a decisão da liga de interromper os testes aleatórios de drogas para cannabis poderia ser permanente, mas a política só foi estendida a cada temporada, em vez de implementada a longo prazo.


☘️ Cresceu o número de crianças com autismo que passaram a usar CBD durante a pandemia

>>> Um novo estudo descobriu que mais pais e responsáveis ​​por crianças com autismo optaram por usar o CBD para ajudar nos sintomas e comportamentos relacionados durante a pandemia de COVID-19. A pesquisa publicada pela Autism Parenting Magazine, quase um quinto dos entrevistados revelou que havia usado o CBD para ajudar a aliviar uma variedade de sintomas dos pequenos. Dos 160.000 participantes que relataram ser pais / responsáveis ​​por uma criança com transtorno do espectro do autismo, 18,6% confirmaram o uso de produtos de CBD. O estudo também descobriu que quase um em cada três (31,3%) cuidadores de autismo começaram a dar CBD a uma criança nos últimos 18 meses. Além disso, os dados também mostram que 16,6% dos que usaram produtos com CBD aumentaram a dosagem neste período. Quando perguntados pelo motivo principal do uso do CBD, 42,9% responderam que o alívio da ansiedade foi o ponto principal. Quase 37% declarou comportamento desafiador, 5,1% disseram alívio da dor e inflamação, 8,1% disseram sono e relaxamento, 4,3% disseram convulsões. Cerca de 60,8% dos entrevistados optou pelo uso de óleos, 21,5% por gomas e tópicos, 7,5% usam cápsulas ou comprimidos, 5,1% usam loções ou bálsamos e 1,9% usam vaporizador.


☘️ Mais pacientes com câncer de mama usam cannabis, mas escondem de seus médicos

>>> Muitos pacientes com câncer de mama usam cannabis para aliviar os sintomas da doença e seus tratamentos, mas poucos contam a seus médicos, descobriu uma nova pesquisa. Em uma pesquisa anônima online realizada pela Breastcancer.org com mais de 600 mulheres com diagnóstico de câncer de mama, 42% relataram o uso de alguma forma de cannabis para alívio de sintomas como náuseas e vômitos, dor, insônia, ansiedade e estresse. A maioria buscou informações de outras fontes que não seus próprios médicos, incluindo sites ou equipes de dispensários de cannabis. Cerca de 18% tiraram dúvidas com amigos ou familiares. Os entrevistados relataram os usos mais comuns de cannabis: 70% disseram que usavam comestíveis e 65% líquidos ou tinturas. Pouco mais da metade disse que fumava e quase metade consome a erva por canetas vaporizadoras. 


☘️ 47% preferiram consumir produtos de cannabis em vez de álcool

>>> Estudo realizado pelo New Frontier Data, os craques da pesquisa sobre consumo de cannabis no mundo, revelou que 47% dos consumidores de cannabis nos EUA relatam que escolheram produtos de cannabis em vez do álcool. Se a coisa seguir nesse passo, é provável que o uso da erva substitua a famosa taça de vinho no jantar. A substituição de álcool pode ser mais bem-sucedida para os consumidores à medida que o acesso legal a bebidas infundidas se expande, e existe todo um mundo de oportunidades para os produtores de bebidas infundidas para saciar os que são do gole. A mesma pesquisa revebou que relaxamento e alívio do estresse são as principais razões para o uso de cannabis, e 52% dos consumidores atuais relataram consumir cannabis para melhorar sua saúde mental durante a pandemia. Acredite se quiser, mas 13% dos consumidores relatam o uso regular de cannabis antes do exercício físico para melhorar a performance no treino.


☘️ Criar galinhas ou plantar cânhamo? Por amor aos animais e ao próprio bolso, a segunda opção

>>> Alguns agricultores estão fazendo uma transição financeira e ética em seus cultivos e economia que poderia ser resumida como a substituição de pato pra ganso, ou, melhor dizendo, da galinha à cannabis. O Transfarmation Project, uma iniciativa do grupo de defesa Mercy For Animals, ajuda as empresas a deixar de criar galinhas para abate e passar a cultivar plantas como o cânhamo industrial. Mercy For Animals compartilhou várias histórias recentes de agricultores que fizeram a transição para a cannabis. A Fazenda Halley, no Texas, por exemplo. Por 30 anos, a operação criou seis bandos de galinhas por ano - 192.000 aves por lote. Mas, com o apoio dos ativistas pelos animais, a operação familiar mudou para o cânhamo e recentemente completou sua primeira colheita. O grupo destacou outra história maravilhosa, onde um fazendeiro que antes criava cerca de 45.000 frangos em um depósito agora cultiva cânhamo industrial no mesmo espaço. 


☘️ CBG, a mãe de todos os canabinóides, vem ganhando notoriedade

>>> O CBG é frequentemente referido como “a mãe de todos os canabinóides”, porque é produzido primeiro pela planta e depois convertido em outros canabinóides. Em outras palavras, sem CBG não teríamos canabinóides como THCA, CBDA e CBCA e pode ser que você nunca ouviu falar dele. Pois aqui te damos dados. A maioria das pessoas que usa o cannabigerol por motivos médicos acha que ele é útil no tratamento de uma variedade de problemas de saúde, de acordo com os resultados de uma pesquisa recente publicada na Cannabis and Cannabinoid Research no final de setembro. A maioria dos entrevistados relatou que suas condições de saúde "melhoraram muito" com o uso do canabinóide. Uma grande maioria acredita que a cannabis com predominância de CBG tem maior eficácia do que os medicamentos convencionais, incluindo 73,9% dos entrevistados que a usam para tratar dores crônicas, 80% dos que relataram usá-la para depressão, 73% dos entrevistados contra a insônia e 78,3% que já usaram para tratar a ansiedade.


☘️ Gestantes e seus filhos serão acompanhados por 10 anos em estudo sobre consumo de cannabis

>>> O National Institutes of Health, maior centro de pesquisas biomédicas do mundo, está financiando o estudo HEALthy Brain and Child Development (HBCD), que vai acompanhar gestantes junto com seus filhos por pelo menos 10 anos para dados mais concretos sobre o uso de cannabis durante a gravidez. Teorias de que o uso de cannabis prejudicam o desenvolvimento da criança, e que representam grande preocupação de saúde pública e frequentemente surge durante os debates legislativos e políticos, serão provadas no estudo. Uma ampla coleta de dados, desde o desenvolvimento fetal até as imagens do cérebro e desenvolvimento emocional e cognitivo, serão recolhidos e analisados. Segura a ansiedade, você só vai ler lá pela edição de número 260, ou seja, daqui a 10 anos.


☘️ Jovem inglês é preso e condenado a 25 anos de prisão em Dubai por porte de CBD

>>> Esse pessoal de Dubai tá bem loco, né? Prenderam um jovem inglês por posse de azeite de CBD, cês acreditam? Mas não, o pior não foi isso. Ainda condenaram o rapaz a 25 anos de prisão. WTF??? Billy Hood, 24, de Kensington, Londres, disse que está "rezando" e "esperando" que as autoridades "vejam a luz" e o libertem. Ele trabalhava como treinador de futebol nos Emirados Árabes Unidos quando a polícia descobriu quatro pequenas garrafas de óleo derivado de cannabis e uma caneta vaporizadora em seu carro e o prendeu em 31 de janeiro. Então foi condenado por tráfico de drogas por um tribunal e está detido desde então. Sua mãe conta que ele foi forçado a dormir no chão nos últimos oito dias, sem acesso a ninguém que falasse inglês e com pouca comida, enquanto aguarda uma audiência de apelação. Olha, eu fico muito puta da vida de viver num mundo em que um sujeito recebe pena de 25 anos de prisão por portar extrato de uma planta medicinal!

☘️☘️☘️

Hoje estamos lacônicos e econômicos, rs. Divirtam-se com essa receita de smoothie de cannabis e de café com a erva e sejam felizes. Aho!


Curtiu? Achou que faltou alguma coisa? Quer se comunicar com a gente sobre algo que aflige o seu ser? Venha! cannabishoje@gmail.com

Se puder, aperta o coraçãozinho e dá o share para compartilhar a newsletter com as amizades.

Aproveita e segue @cannabishoje no instagram, assim a nossa comunidade só fará crescer \o/ 

Share

beijo,

anita_cannabis hoje

Boletim CH#19 ☘️ Cannabis na adolescência? Melhor esperar

Maconha não queima neurônios. Ao contrário, estimula novas conexões cerebrais, e justamente por isso pode apresentar riscos para adolescentes e jovens adultos

Bom dia pra quem é de bom dia!

Como vocês estão? 

Por aqui, tudo beleza. E o que não, trabalhando para transmutar.

Gostoso ficar sem instagram nem whatsapp umas horinhas, né? E ainda tem gente que não acredita no mercúrio retrógrado… aliás, se bateu aquela vontade de chamar o ex, evite. É apenas a retroação fazendo você pensar que antes era melhor. Mas, como diria o poeta, o melhor lugar do mundo é aqui, e agora. Agarremos na mão do aqui e agora, que ele é o melhor guia da nossa jornada.

Bueno, paremos de filosofar sobre o tempo e filosofemos sobre o uso da cannabis na adolescência, lá na nossa coluna no Poder360

Viram que o Tumblr se tornou a primeira entre as grandes plataformas de mídia social a permitir publicidade de cannabis? A rede social atualizou suas políticas, que agora permitem anúncios CBD em todos os EUA e anúncios de cannabis recreativa na Califórnia e no Colorado. Poc a poc, como diriam os catalães...

Bora de news!


☘️ Cada vez mais doguinhos intoxicados com os comestíveis de cannabis

>>> Lá nos EUA, a galera fica chapada e os doguinho é que pagam o pato. A ONG ASPCA pela defesa de animais, disse que o número de ligações informando o envenenamento de cachorros sugerem que a toxicidade da cannabis em cães aumentou com o número de estados onde a erva passou a ser legalizada. A maioria dessas ligações denunciavam produtos comestíveis de cannabis na casa do proprietário, mas um número crescente são encontradas em caminhadas na natureza, de acordo com o Los Angeles Times. Entre 2017 e 2020, o número de chamadas nacionais para o uso de cannabis canina aumentou de 1.436 para 3.923 casos, disse Tina Wismer, diretora da ASPCA Poison Control Center. A Califórnia legalizou a modalidade recreativa em novembro de 2016 e nos quatro anos seguintes, as chamadas referentes a envenenamento de cachorros aumentaram 276%. No Colorado, que a legalizou em 2012, os telefonemas são 11 vezes mais altos do que antes. E o pior é que as autoridades acreditam que esses números são provavelmente apenas uma pequena fração do número real de intoxicações por maconha em animais de estimação em todo o país.


☘️ Você considera fumar um baseado com seus avós? 60% de uma pesquisa disseram que sim

>>> Você fumaria um baseado com os seus avós? Ai ai, se vóinha topasse… Tivesse eu participado de uma pesquisa conduzida pela marca de comestíveis de cannabis, Azuca, certamente figuraria entre os 60% dos entrevistados, que considerariam consumiriam cannabis com um avô. De acordo com o comunicado de imprensa da empresa. A 'Pesquisa sobre o Consumo de Cannabis entre os Americanos' foi realizada online e teve 1.089 participantes. Outros dados interessantes pintaram por lá: cerca de 58% pensam que a cannabis é o futuro do controle da dor; 64% dos consumidores de cannabis a utilizam para relaxamento, 40% para controle da dor, 43% para dormir, 37% para saúde e bem-estar e 39% para recreação.


☘️ 95% dos pacientes de uma rara doença de pele melhoraram com cannabis

>>> Entre as maravilhosas descobertas recentes do potencial medicinal da cannabis, está um estudo publicados no Orphanet Journal of Rare Diseases, que revela que 95% dos pacientes com uma rara condição de pele chamada epidermólise bolhosa dolorosa, melhoraram com o uso tópico de cannabis. Outros 91% disseram ter menos coceira e 81% relataram que a cicatrização das feridas melhorou, e 79% disse que diminuiu a medicação para sua condição de pele. O único efeito colateral com significância notável foi boca seca em 44% dos voluntários recrutados em cinco continentes diferentes.


☘️ Menos presos por posse ou venda de cannabis nos EUA

>>> O número total de pessoas presas nos Estados Unidos por posse ou venda de cannabis recreativa diminuiu pela primeira vez em quatro anos, mas ainda supera as prisões para todos os crimes violentos, de acordo com dados divulgados pelo Federal Bureau of Investigation dos EUA. De acordo com o relatório do FBI, a polícia fez 545.602 prisões por violações relacionadas à cannabis em 2019, 9% maior do que o número total de pessoas presas por cometer crimes violentos (495.871). Dos presos por atividades relacionadas à cannabis, cerca de 9% (500.395) foram presos apenas por delitos de porte da erva. No geral, as prisões por canabis caíram significativamente desde seu pico, há uma década, quando a polícia fez mais de 800.000 prisões relacionadas à cannabis anualmente.


☘️ Consumo de cannabis aumentou entre os brancos, mas não entre os negros…

>>> Após a legalização em vários Estados americanos, o consumo de cannabis aumentou entre os brancos, mas não entre os negros. Foi o que concluiu um novo estudo liderado por pesquisadores da Universidade de Columbia. O estudo, que utilizou dados de Estados onde a cannabis era legal para uso adulto, teve dois achados principais. Em primeiro lugar, os pesquisadores não observaram nenhum aumento no consumo de cannabis entre os jovens de 12 a 20 anos e isso ocorreu em todos os grupos raciais e étnicos. Em segundo lugar, observaram que o uso de cannabis aumentou entre brancos e hispânicos, mas não aumentou entre negros. E por quê, ein? Me ocorre que os brancos sabem historicamente que a probabilidade de serem presos por porte de maconha já era menor antes da legalização, agora, então, que o uso recreativo está permitido, tá mais tranquilo ainda. Mas isso é um palpite. Tomara que mais pesquisas surjam para que entendamos melhor as tendências e ao mesmo tempo garantir que a promulgação de leis de cannabis recreativa realmente contribua para uma maior equidade nos resultados, aderindo às políticas anti-racistas.


☘️ Comestíveis de CBD são inúteis, diz pesquisadora

>>> Se você pretende experimentar os benefícios do CBD para a ansiedade, dor ou náusea, através dos comestíveis, saiba que comê-los, apenas ocasionalmente, pode não funcionar. Durante um episódio do podcast "Gastropod" chamado "It's All Going to Pot", a neurocientista e pesquisadora de cannabis, Adie Rae, foi direta: comestíveis e bebidas com CBD são "inúteis" e um desperdício de dinheiro. Rae, uma pesquisadora financiada pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas do Legacy Research Institute, explicou que nós humanos digerimos o THC e o CBD de forma diferente. O fígado decompõe mais rapidamente o CBD que o THC, e assim, uma dose menor entre na sua corrente sanguínea, dificultando que os efeitos terapêuticos ocorram. A melhor maneira de colher os benefícios potenciais do CBD é tomá-lo diariamente, de acordo com a pesquisadora, já que leva um tempo para que a substância se acumule no corpo.


☘️ Seu celular pode identificar se você está chapado

>>> Celular dedo duro. Dados de sensores de smartphones combinados com aprendizado de máquina podem detectar se alguém está sob a influência de cannabis, disseram pesquisadores da Rutgers University em New Jersey. Eles desenvolveram uma prova para detectar passivamente o uso de cannabis como uma alternativa às medidas existentes, como testes de sangue, urina ou saliva, e suas descobertas foram publicadas em setembro na revista Drug and Alcohol Dependence. Selecionaram 57 jovens adultos que relataram usar cannabis pelo menos duas vezes por semana, os convidaram a preencher três pesquisas por dia durante um período de 30 dias que perguntavam o quão chapados eles estavam se sentindo em um determinado momento, bem como quando eles usaram cannabis pela última vez e a quantidade consumida. Os participantes também baixaram um aplicativo que analisava dados de GPS, registros de telefone e outros sensores de smartphone e estatísticas de uso. Ao olhar apenas para a hora do dia, o algoritmo foi capaz de detectar com precisão um episódio de uso de cannabis com 60% de precisão. Os dados do sensor do smartphone por si só também foram capazes de produzir uma taxa de precisão de 67%. Já os dados do sensor do smartphone combinados com os dados da hora do dia resultaram em uma taxa de precisão de 90%.


☘️ Consumo de cannabis aumentou 27% na Europa

>>> Mais popular do que você pensa! O número de usuários de cannabis na Europa aumentou 27% na segunda década deste século, afirmou um estudo da Universidade de Hamburgo, que avaliou dados disponíveis publicamente de países da UE, juntamente com o Reino Unido, Noruega, Turquia e o Escritório das Nações Unidas para Drogas e Crime. O aumento relativo mais forte ocorreu na faixa etária entre 35-64 anos de idade, mas o consumo regular geral também aumentou. Esses dados são certamente interessantes porque mesmo as lojas de CBD do velho continente estão relatando um aumento expressivo à medida que os consumidores tentam aliviar o estresse e a ansiedade relacionados à pandemia. Especialmente na Alemanha, essa informação também está chegando em um momento em que grande parte da população pede uma reforma abrangente das leis sobre drogas aqui - particularmente no que se refere à cannabis. Os aspectos medicinais e recreativos --muito menos perigosos que o álcool e o tabaco--, além dos industriais, cada vez mais presente em produtos, de alimentos a cosméticos, materiais de construção e roupas, promovem um debate inédito na Europa. Com mais e mais países admitindo que a cannabis tem eficácia médica, mesmo que a contragosto, esses dados servem para sublinhar uma realidade inegável.


☘️ Delta-8 burlando proibições ao THC

>>> Um novo tipo de produto de cannabis, supostamente não psicoativo, tem surgido em muitas lojas de conveniência e postos de gasolina nos EUA. Através do boca a boca, esses produtos, tecnicamente conhecidos como Delta-8 THC, são conhecidos também como “light cannabis” e, em alguns casos, "CBD com crack", devido ao subidão que eles produzem. Isso chamou a atenção de reguladores estaduais e federais, incluindo o FDA, que recentemente alertou sobre os efeitos adversos relatados pelo uso desses produtos, supostamente sintetizados a partir do cânhamo, a forma não-intoxicante da cannabis. Embora o Delta-8 ocorra naturalmente no cânhamo, aparecem em quantidades muito pequenas. Os produtos Delta-8 THC vendidos atualmente no mercado são muito mais potentes e geralmente conseguidos por meio de um processo sintético de conversão de CBD. No ano passado, a DEA indicou que poderia considerar tais produtos como “THC derivado sinteticamente" e listou Delta-8 THC como um nome alternativo para tetrahidrocanabinol. E embora o Congresso possa ter habilitado a indústria da CBD legalizando o cânhamo, a história legislativa deixa claro que o foco estava no cânhamo como uma commodity agrícola, e não como uma forma secreta de legalizar o THC. Com isso, até agosto deste ano, pelo menos 18 estados restringiram ou baniram o Delta-8 THC de alguma forma. Embora as abordagens para regular o Delta-8 THC possam variar, parece haver um consenso crescente entre legisladores e reguladores de que o Delta-8 THC não é simplesmente outro derivado do cânhamo nem caberia nos regulamentos de cânhamo existentes. Na prática, o status legal do Delta-8 THC poderá em breve estar vinculado à legalização geral da cannabis e do Delta-9 THC.


☘️ Você comeria carne de cânhamo?

>>> O cânhamo é uma das plantas mais versáteis da Terra, que vem sendo usada durante séculos para diversos fins: vestir, alimentar e, em muitos casos, curar. E graças ao bom deus, se é que ele existe, há um número crescente de pesquisas que nos trazem maravilhosas ideias, como a da carne de cânhamo. Um estudo recente, liderado por pesquisadores na Polônia, examinou a carne de cânhamo, um subproduto do óleo de prensagem a frio de sementes de cânhamo, como um ingrediente alternativo em carne vegetal sustentável. Eles analisaram especificamente o impacto da carne de cânhamo "nas propriedades físico-químicas e texturais, oxidação e aceitação sensorial de almôndegas cozidas e embaladas a vácuo durante o armazenamento refrigerado". “Os resultados indicam que a carne de maconha, um material considerado principalmente como resíduo, pode ser destinada à alimentação e ser um ingrediente alternativo para a produção de produtos de carne vegetal sustentável”, concluíram os autores. E aí, você toparia um churrasco com carne de cannabis?

☘️☘️☘️

É isso, gente, vamos dando adeus, mas porfis, se liga nesse coworking cannabis friendly, onde a galera pode fazer seus descansos com um baseadinho na mão. Aproveita o embalo, e sonha mais um pouquinho com o futuro: startups de cannabis arrecadando milhões para criar soluções alternativas ao plástico. Enquanto isso, no Brasil, estamos felizes com pequenas conquistas, como o STF não considerar crime possuir itens para o cultivo pessoal de cannabis.


Curtiu? Achou que faltou alguma coisa? Quer se comunicar com a gente sobre algo que aflige o seu ser? Venha! cannabishoje@gmail.com

Se puder, aperta o coraçãozinho e dá o share para compartilhar a newsletter com as amizades.

Aproveita e segue @cannabishoje no instagram, assim a nossa comunidade só fará crescer \o/ 

Share

beijo,

anita_cannabis hoje

Loading more posts…